Câncer do Esôfago

Nos últimos anos vem aumentando consideravelmente a incidência de câncer do esôfago. O que até a alguns anos atrás era restrito a indivíduos tabagistas e etilistas tem se mostrado cada vez mais freqüente em indivíduos portadores da doença do refluxo gastroesofágico e do esôfago de Barrett.

Nesta doença ocorre proliferação desordenada da camada mais interna do órgão, a mucosa. Os cânceres de esôfago iniciam-se nas camadas mais internas em direção as mais externas. Existem 2 tipos principais de câncer de esôfago: o adenocarcinoma e o carcinoma espinocelular. O tipo mais comum é o adenocarcinoma, que geralmente acomete a porção mais inferior do esôfago.

Existem alguns fatores de risco que estão relacionados com o surgimento do câncer de esôfago. Alguns, como o cigarro e o álcool, podem ser controlados;

Dentre os principais fatores de risco estão:

- Idade: o risco aumenta com a idade e é raro em pessoas abaixo de 40 anos.
- Sexo: homens têm três vezes mais chance que mulheres.
- Raça: indivíduos da raça negra são mais acometidos (não se sabe a causa).
- Tabagismo: quanto maior a duração do hábito, maior o risco.
- Etilismo: consumo de bebidas alcoólicas em grande quantidade.
- Esôfago de Barrett: em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico.
- Dieta: pobre em frutas e vegetais.
- Obesidade.
- Consumo de liquidos muito quentes e alimentos defumados.
- Doenças: megaesôfago chagásico.

No momento não há uma certeza na prevenção do câncer de esôfago, porém o risco pode ser diminuído, evitando-se o cigarro e o consumo excessivo de álcool. O consumo de vegetais, especialmente os crus, também oferece certo grau de proteção. Hábito de vida não sedentário e peso saudável também ajudam.

Na maioria das vezes esse tipo de câncer é descoberto pelos sintomas que causa. Habitualmente os sintomas aparecem apenas quando a doença está avançada, tornando a cura menos provável. Quando o câncer é descoberto precocemente, geralmente deve-se a exames feitos por outros motivos. Entre os principais sintomas, encontram-se:

- Dificuldades em engolir alimentos: é o sintoma mais freqüente e causa uma sensação de comida "parada" no peito ao deglutir. A queixa é progressiva e inicia-se com a dificuldade de ingerir alimentos sólidos, depois para pastosos e finalmente para líquidos (fase mais avançada da doença).

- Perda de peso: metade dos pacientes com câncer de esôfago apresenta essa queixa, principalmente devido à dificuldade progressiva de engolir alimentos.

- Sintomas menos freqüentes: rouquidão, soluços, pneumonias de repetição, que também estão associadas a outras doenças.

O exame de escolha para o diagnóstico é a endoscopia. Neste exame, uma pequena câmera (endoscópio) é passada pela boca acoplada a uma fibra óptica a fim de visualizar o esôfago. Uma pequena sedação é dada ao paciente com a finalidade de diminuir o incômodo do exame. Qualquer lesão suspeita é biopsiada (retirada de um fragmento) e enviada para estudo em microscopia para pesquisa de células cancerosas. A tomografia computadorizada (TC) deve ser realizada em todos os pacientes com diagnóstico de câncer de esôfago. Ela deve incluir o tórax e o abdomen. Pode evidenciar o tamanho total do tumor e se ele já originou metástases (se espalhou para órgãos vizinhos). Outros exames que podem ser realizados são o ultra-som endoscópico, a broncoscopia e agora a tomografia associada à cintilografia de emissão de pósitrons (exame muito recente para detecção de câncer).

A partir desses exames é realizado o estadiamento, que consiste na descoberta de quanto o câncer já se espalhou ou não, o que é muito importante porque o tratamento a ser proposto depende do estadiamento. O médico de confiança do paciente deverá solicitar os exames e propor a melhor alternativa de tratamento.

A cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia são comumente usadas em combinação para o tratamento do câncer de esôfago. A melhor escolha depende do estadiamento, do tipo de tumor, das condições gerais do paciente e será determinado por seu médico.

Atualmente se realiza a remoção dos tumores esofágicos por videolaparoscopia associada à técnica robótica. O uso do robô facilita a dissecção e a remoção adequada dos gânglios da região torácica. Como grande vantagem não há a necessidade de se fazer grandes incisões no tórax, apenas pequenos orifícios, acarretando uma recuperação muito mais precoce com menos dor, desconforto e segurança ao paciente.

R: Sabará, 566 cj 44
Higienópolis, São Paulo - SP
Tel: (11) 3259.6120 | 3257.6577

Hospital Albert Einstein - Av. Albert Einstein, 627
2° Andar, Sala 220, Morumbi, São Paulo, SP
Tel: (11) 2151.9275

Especialidades:
Bypass, Câncer de Estômago, Câncer de Pâncreas, Câncer do Fígado, Câncer Intestino, Capella,
Cirurgia Robot, Cirurgia Robótica, Colecistectomia, Sintomas Diverticulite, Hérnia Hiatal, Hérnia Inguinal,
Obesidade Infantil, Obesidade Mórbida, Pedra na Vesícula, Perda de Peso, Perder Peso, Quero Emagrecer,
Refluxo Gastroesofágico, Videolaparoscopia

© 2015 Dr. Vladimir Schraibman. Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Exiboo